Ocorreu um erro neste gadget

Postagens populares

domingo, 28 de fevereiro de 2010

Vou fazer brigadeiros

Hoje li o desabafo de um ex-publicitário, o Thiago, no blog do Publicijobs (procurem em http://publicijobs.blogspot.com e leiam). Ele relata sua desilusão com a profissão que escolheu.
Eu faço coro... Minha área também é das ‘comunicações’, jornalismo, e sinto o mesmo que ele.
A falta de criatividade, de cultura, de conhecimento, de talento é tanta que transparece na mediocridade da mídia em geral.
Estão nivelando por baixo... Especialmente no que se refere à remuneração.
Fico abismada quando leio um anúncio da vaga, vejo as ‘exigências’, a carga horária (normalmente horário comercial – das 9h às 19h com uma hora de almoço) e... o salário oferecido! É piada... Tem gente contratando por salário de 800, 1.000, 1.500... Isso para ‘autônomo’ ou PJ, sem benefício nenhum!!!
Não saio da minha casa por isso. Sei o valor do meu trabalho, do meu conhecimento, da minha experiência... É a desvalorização total da profissão e dos profissionais...
Diante do fato não é de se estranhar o baixo nível geral da imprensa – escrita, falada e televisiva...
Um exemplo: dia desses, passando por uma dessas News da TV a cabo (não lembro se Band ou Record) ouvi a seguinte ‘pérola’ de uma repórter:
‘... houve manifestação das vítimas fatais’!!!!!!!!!!! (onde? No céu?)...
E por aí vai...É a ‘marcha da mediocridade em curso’, como diz o Roberto Navarro!
Por essas e outras, sem trabalho na minha área eu decidi: vou fazer brigadeiros.
O doce, com gosto de infância, crocante por fora e super cremoso por dentro é minha especialidade culinária. Uma das únicas, uma vez que cozinha e fogão não são o meu forte! E é com esse docinho que derrete na boca, tem sabor de festa e remete aos tempos em que um futuro ensolarado, brilhante e feliz era tudo o que nos esperava, que eu vou ‘ganhar’ a vida, pelo menos nesse momento.
Às ‘escritas’, minha paixão, vou reservar esse espaço. Um espaço meu, sem censura, sem necessidade de permissões ou aprovações; um espaço livre para exercitar a criatividade, coordenar idéias, passar experiência e escrever sobre o que eu bem entender.
No resto do tempo, vou me dedicar às bolinhas de leite condensado e chocolate, lindamente depositadas em forminhas de papel. Um deleite!
Vou fazer brigadeiros... E a partir de agora, aceito encomendas de quem queira embarcar numa viagem de volta à infância, mesmo que momentânea.

sábado, 6 de fevereiro de 2010

Reflexões...

Outro dia, em um relato do Diário de Bordo do Projeto Mar Sem Fim na Antártica, meu amigo João conta que abortou o início da viagem de volta (leiam é interessantíssimo). Em um momento de incerteza, provocado por mudanças meteorológicas, ele não teve dúvida: recuou. Voltou para um porto seguro à espera de tempos mais favoráveis para seguir em segurança.
Fiquei pensando nisso e em como é possível aplicar esse aprendizado nas decisões que somos obrigados a tomar no dia a dia... Tá certo que os fatos que se apresentam e exigem uma decisão rápida e objetiva nem sempre são tão claros, mas a atitude é a mesma.
Quantas vezes não insistimos em seguir em frente, quando o mais sensato seria recuar, dar um tempo? Mas não... nos camuflamos com coragem e percorremos o caminho traçado, com bravura!... E aí, quando quebramos a cara nos primeiros quilômetros da caminhada, culpamos a ‘falta de sorte’... Se tivéssemos ouvido a nossa intuição... Mas, não, voltar atrás, ter medos e receios, assumir insegurança e incertezas é para fracos...
Na verdade, o que acontece é que nos cobramos e somos cobrados demais! “Temos’ que ter objetivos, ‘temos’ que traçar metas, ‘temos’ que nos destacar, fazer e acontecer... E o que queremos, o que sentimos onde fica?
Nessa ânsia da conquista, nos perdemos do nosso querer... Traçamos um caminho e vamos embora, enfrentando o que vier; afinal, só os fortes encontram seu lugar ao sol, não é assim que funciona?... Não deveria, mas é! Não importa o preço, o que interessa é seguir sempre em frente, mesmo se não se aviste um horizonte colorido lá adiante.
Isso é burrice... Precisamos de objetivos na vida, sim... Precisamos escolher um caminho para alcançá-los, sim... Precisamos determinar rotas e metas, sim... Mas não devemos nos esquecer que, às vezes, é preciso recuar para, mais tarde, seguir em com segurança... Esse tipo de atitude passa longe da covardia; ao contrário, só quem tem coragem é capaz de tomá-la...